Líder de alta performance: competências e inadequações

Um líder de alta performance em uma organização pode motivar as pessoas nos mais diversos aspectos, podendo influenciar diretamente nos resultados das vendas.

Tendo em vista este aspecto, há empresas que acabam reforçando o comportamento agressivo dos líderes e, consequentemente, passam essa imagem também para seus consumidores. Além disso, com o aumento exponencial das mídias sociais, não há conduta imoral ou ilegal que fique acobertada por muito tempo e a chance das empresas se envolverem em escândalos com chefes está bem mais fácil.

Mas este artigo irá abordar as competências fundamentais que um líder de alta performance precisa ter, quais são as inadequações e como essas características podem afetar a organização em outras dimensões.

Todo cargo exige algumas competências essenciais no desenvolvimento de atividades e, se você quer ser um líder de alta performance na área de T&D, também deve ler este post.



1 – Gerenciamento


A capacidade de gerenciamento de um líder de alta performance reúne diferentes aspectos inerentes ao dia a dia de uma organização, podendo transitar sobre questões mais estratégicas bem como operacionais. O líder que não trata das atividades operacionais com os seus liderados deixa de perceber importantes gaps, oportunidade de melhorias e até mesmo rever processos que possam resultar em processos de inovação.

O bom líder está sempre atento às tarefas da equipe, sendo por saber realizá-las com primazia e atuar como um supervisor ou até mesmo como aprendiz, afinal estar em um cargo de liderança não significa deter o conhecimento total da atividade.

Quanto à questão estratégica, o desenvolvimento de atividades que envolvam o gerenciamento 360 graus do departamento é função do líder todo o planejamento estratégico que envolve as atividades do departamento – ótima dica para atividades que requerem muita organização por certo período.

Para exemplificar vamos usar o início de um novo semestre. É função do líder reunir e distribuir as tarefas de acordo com os parâmetros preestabelecidos. Claro que contar com a colaboração do time é fundamental, no entanto, este tipo de tarefa não deve ser delegada para evitar surpresas ao longo da execução.

Muitos líderes reclamam de seus liderados quando é oferecida certa independência, excluindo as exceções, estes erros acontecem em função da falta de planejamento holístico, que provavelmente foi delegado a um colaborador que não tinha o olhar gerencial sob o escopo do projeto.


2 – Liderança


Os quesitos gerenciamento e liderança foram divididos a fim de facilitar o entendimento da função de líder e também para que reconhecer que este tipo de cargo é dividido em dois grandes setores que devem sempre caminhar juntos para garantir o bom funcionamento do departamento e em alguns casos, da organização como um todo.

No entanto, neste tópico vamos abordar a gestão de equipe que todo líder deve executar com primazia. Muitas empresas possuem problemas com líderes, pois os promovem sem estudar sua capacidade de lidar com pessoas e acabam atribuindo esta função a pessoas que não possuem esta habilidade já desenvolvida, e ainda, depois de identificado este problema, não buscam desenvolver este aspecto fundamental em um líder.

O líder, quando falamos de gerir pessoas, acaba lidando também com a administração de expectativas dos liderados e esta não é uma tarefa fácil. Por isso, é importante sempre estudar os aspectos psicológicos desta posição e prover o máximo das suas capacidades quando o assunto é gerir a equipe.

O departamento de Recursos Humanos possui profissionais capacitados para lidar com estas questões dentro das empresas. O líder que tiver questionamentos ou necessite de direcionamentos, deve procurar o RH para conversar sobre este assunto. Não é errado e nem deve ser motivo de embaraço, afinal, esta é uma posição desafiadora.

É mesmo um desafio e tanto um líder conseguir fazer uma boa gestão da sua carreira e também de uma série de pessoas que compõe o time e se espelham na sua figura para pautar o crescimento da carreira profissional no futuro. A empatia é característica fundamental para um líder de alta performance, pois isto evita erros e diminui conflitos que podem ser facilmente evitados se o tom de voz for ajustado, por exemplo.

É fundamental também, que o líder busque na Comunicação Interna os recursos necessários para administrar os fluxos de comunicação do departamento e até mesmo estar informado quanto aos aspectos da cultura organizacional que afetam diretamente seu trabalho e permeiam nas relações de trabalho entre os colaboradores pares e a liderança.

3 – Coach


Como já mencionamos, muitos colaboradores enxergam na liderança exemplos de profissionais e também modelos para o futuro, isso faz dos líderes coachs integrais que devem encorajar e ajudar os empregados na administração dos caminhos e sentimentos que irão reger esta pessoa como profissional.

Estar nas organizações diariamente é um desafio, pois leva as pessoas a um nível muito próximos de convivência. A geração de conflitos é quase que inevitável, afinal lidar com o ser humano requer o entendimento sobre o quanto as pessoas são sensíveis e voláteis aos acontecimentos rotineiros e eventuais.

O líder precisa entender que nem sempre acordará de bom humor ou com vontade de ouvir seu liderado, afinal, este é um processo natural da psique humana, no entanto, este tipo de situação – que pode ser conflituosa, reflete e resulta exatamente qual o tipo de relacionamento – e consequentemente vínculo, que foi desenvolvido com a equipe e isso faz toda a diferença.

A função de coach, em suma, mas sem querer sintetizar em uma só função, remete a um aconselhador que sabe observar e entender nuances do dia a dia e de nossos aspectos psicológicos e ‘traduzir’ isso em pequenas doses de reflexão que nos guiam a soluções práticas para situações que muitas vezes não somos capazes de discernir devido ao nosso envolvimento com o fato.

Outra questão muito sensível quando o assunto é liderança são as atividades extra operacionais, que representam todo o fluxo de comunicação informal dentro de organização, o que pode ser traduzido em inúmeros canais que fazem da organização algo quase orgânico, que pulsa e se altera facilmente de acordo com acontecimentos e anseios.

O líder é um bom gerenciador e aconselhador quando consegue gerir conflitos e entender que não é de somente de bons momentos que são construídos os relacionamentos e sólidos e de confiança com as equipes.


Sinais de alerta – Características inadequadas


Falando um pouco também sobre os comportamentos que podem ser prejudiciais na relação líder e liderados temos situações de trabalhos que lançam impasses, como por exemplo: o excesso de centralização, a ideia de controlar as atividades e processos pode surgir em diversos momentos e por diferentes motivos.

Antes de condenar esta atitude ou reforça-la é importante entender suas consequências, caso seja algo necessário para o bom funcionamento da organização deve ser encarado de uma maneira diferente de quando isso gera um grande funil de atividades, que ficam todas concentradas em uma só pessoa em razão de pura necessidade de controle.

Ainda sobre os comportamentos e atitudes prejudiciais, temos aquele líder que não atua em conformidade aos parâmetros preestabelecidos pela organização ou deslegitima publicamente a cultura organizacional e suas normatizações em detrimento de comportamentos singulares.

A capacidade de oferecer um feedback provocativo e ao mesmo tempo empático também é papel de líder de alta performance, embora ainda seja raro encontrar um líder que mantenha esta preocupação intrínseca ao seu desenvolvimento como tal; por ser um aspecto de suma importância são necessários esforços contínuos na melhoria dos processos da organização e também os comportamentais desta ação.


O líder de alta performance nas organizações


Um bom corpo de líderes não é somente função individual de cada um e sim atividade em conjunto que deve ser desenvolvida também pela organização, que executa um papel balizador deste público quando o assunto é desempenho, seja ele gerencial ou de liderança. A empresa, que aqui pode ser representada pela equipe de Recursos Humanos ou os membros da alta direção, devem estar atentos às atividades desenvolvidas pelos líderes e direcionar a estratégia da empresa para onde for cabível de acordo com estas noções.

Por fim, o líder de alta performance entende que sua função é fundamental para permear e reforçar os valores organizacionais e também corroborar com os objetivos passados pela comunicação organizacional desenvolvida.

Existem diversos treinamentos e comunicações direcionadas somente para as lideranças das empresas, justamente por haver a noção da importância deste público e como este pode impactar nos demais grupos internos da organização com o cascateamento de informações consideradas fundamentais para o bom funcionamento do negócio.

Fonte: Niduu - Disseminando Conhecimento.


Comentar
Compartilhar